segunda-feira, 25 de maio de 2015

Fluxo na prática...

De quando em quando, alguns estudos atingem certas qualidades intangíveis e, por essa mesma razão, indizíveis. Mas outro dia, respondendo a uma pergunta numa rede social, acabei tratando dos critérios, mais ou menos organizados, que ditam minha prática, embora quase inalcançáveis no meu atual estágio.
O primeiro, que tomei emprestado do zen (já que não sou praticante), de aceitar que a prática é que é expressiva (e não a obra, o tema, o artista, etc), o que exige implicitamente, e por tabela, a capacidade de esquecer de si mesmo. Dessa forma, a atenção volta-se para algo fora do praticante tornando possível a imersão no processo como campo do desconhecido.
O segundo, conceito emprestado de Harold Speed, mestre e pintor inglês, de buscar a sinceridade (e não a diferenciação ou originalidade estilística).
E, por último, o princípio da simplicidade, a tarefa quase impossível de a pintura atingir o irredutível e de ser o que é, nem mais, nem menos...

 
Estudo em carvão sobre papel Marrakech, a partir da escultura de Rodin

Um comentário:

  1. Um dos maiores mestres vivos Brasileiros; ou, mais um entre os verdadeiros mestres nesta área, pena não poder pagar, mais fico imensamente grato por todas as suas publicações Mestre Takiguthi, tento sempre aprender um pouco...

    ResponderExcluir

Seguir por Email