quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Workshop com Burton Silverman

A experiência mais marcante deste ano foi, sem sombra de dúvidas, o workshop que fiz com Burton Silverman (http://www.burtonsilverman.com/) em Julho, um dos maiores pintores realistas americanos da atualidade.
Antes de viajar, sentia-me realmente esgotado, muito desanimado com a arte no Brasil. Queira ou não, o contexto influencia e limita o desenvolvimento individual, por vários fatores: grande resistência, encontrada no mercado e em instituições artísticas importantes, de reconhecer o valor da arte figurativa tradicional; mentalidade supostamente de vanguarda que cultiva a falta de conhecimento técnico e de desenho como base do fazer artístico; dificuldade de encontrar grandes referências que sirvam de modelo de uma arte mais elaborada e profunda; entre outros.

O que consigo visualizar depois de 23 anos de pintura é que aqui, infelizmente, o “teto” é baixo. Para crescer, é fundamental buscar novos ares. Sinto que, se não o fizesse, seria engolido por essas forças irresistíveis e invisíveis da alienação, acomodação, mediocridade e mesmice (o mais fácil seria desistir e entrar no “esquema”). É, de fato, muito cansativo e desgastante perder tempo justificando ou defendendo a validade da pintura realista, como tentei há alguns anos, através de exposições do movimento realista.


Estúdio de Silverman, Stormville, NY

Conhecer Silverman e seu trabalho de perto foi uma honra e a experiência, fantástica. Interessante constatar como, por trás do mestre, há sempre um grande ser humano, generoso, inteligente e sensível. A convivência com um mestre é imprescindível, mesmo que por pouco tempo. É incrível presenciar sua postura diante do processo: grande capacidade de, ao desenhar ou pintar, abrir mão da segurança, do lugar fácil e cômodo das receitas e fórmulas durante a execução. Ver in loco como administra o caos, como pinta, sem esboço linear, esculpindo pela sobreposição de massas (áreas de cor ou valor), revelou quão destemido e arrojado pode ser um artista.

Direto e sucinto, sua atitude de mestre é a de sempre buscar o essencial, através da observação seletiva, sem malabarismos pirotécnicos. Algo que me chamou a atenção é a liberdade e domínio com que se “move” dentro da pintura. E isso realmente estremeceu as bases de como vejo as coisas e as diretrizes de como eu penso o processo.

Silverman fazendo demonstração de um retrato a óleo

Durante o workshop em Stormville, levei vários “puxões de orelha”, que, longe de serem críticas de cunho narcisista (do tipo que desvaloriza o outro para se sentir melhor), foram, na verdade, atos de generosidade, próprios àqueles indivíduos que se orientam pelo rigor da excelência. Sem perder a compostura, nunca fez questão alguma de agradar. Falava o que pensava e o que via.

Pude constatar, de certa forma, como é possível aliar visão em profundidade, domínio do pensamento, liberdade, sensibilidade e destreza. Foi marcante comprovar que algo deste nível existe e isso me fez sentir renovado no compromisso com o que eu faço.


Sessão de desenho: retrato


Primeiro desenho a carvão


Segundo desenho a carvão


Primeira pintura a óleo


Segunda pintura a óleo


Desenho a carvão feito a partir de uma foto tirada durante o workshop

Um comentário:

  1. Faço sua as minhas palavras, percebi um certo teor de desabafo, aqui pintor figurativo é visto por alguns como coisa antiga e etc, mentalidade provinciana, pinto a 23 anos e só eu sei a que custo tive para chegar até hoje aos meus 34 anos pintando.

    Sem falar a falta de referencia, a falta de uma aula descente,bons professores, e aquelas revistas de bancas, MEU DEUS, aquilo deveria ser proibido, aqui tem muito enrolador que pinta errado e não tem vergonha nenhuma de se auto dominar artista plástico.

    Moro no Guarujá longe do centro (SP) mas continuo tentando, não tenho grana para tal investimento (SILVERMAN) mas me alegro ao ver que um colega do pincel pode ir, deve ter sido uma experiencia unica.

    Graças ao Google, sinto que evolui consideravelmente nos ultimos 4 anos graças ao silverman, Lipking, Kassan, meus professores em video aulas no "Torrent" rsrsrsrs!!

    Nunca, digo nuncaaa, tive um incentivo seja de ordem publica ou privada, sim de minha familia!!

    Mas chegaremos lá e vc com este talento ira longe tenho crença nisto!

    Boa sorte!!

    Sócrates Noronha!!

    ResponderExcluir

Seguir por Email