segunda-feira, 15 de junho de 2015

Estudos sucintos dos mestres em papel kraft

Este ano, resolvi fazer uma série de estudos rápidos (cerca de 35 minutos em média) utilizando carvão sobre papel kraft com o intuito de gerar maior desenvoltura na manipulação e agilidade mental de ordenar, da forma mais direta e simples possível, shapes e valores das massas. 
O conceito consiste em montar a estrutura do desenho (sem os pormenores dos pequenos planos), numa abordagem sucinta (por reter a qualidade do mínimo necessário por meio da observação seletiva), com anotação da luz, sem me preocupar em criar matéria ou estabelecer a escala tonal completa das massas (substituídas em grande parte pelas hachuras).
O lado instigante desse tipo de abordagem no desenho fica por conta do acesso ao ordenamento mental que esses grandes mestres pictóricos conduziram no que concerne ao movimento contínuo, silencioso e sutil das massas em suas pinturas.

Estudo 1 de Van Dyck

Estudo 2 de Van Dyck

Estudo 3 de Van Dyck.


Estudo em grafite da obra a óleo de Max Thedy. O desenho à esquerda corresponde à estrutura do desenho, pelo sistema gestual. O da direita comporta a combinação da estrutura do desenho com a estrutura da massa como anotação da luz.

Versão em carvão da obra de Max Thedy. Nessa estrutura do desenho com anotação da luz, é possível perceber tanto a falta de matéria como a despreocupação com o trabalho de borda. Os pequenos toques configuram a fisionomia sem que se recorra aos detalhes da textura de pele e afins.

Estudo de Anders Zorn

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguir por Email