quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Processo artístico como ato de inteligência

Apesar de grande fã da fisionomia do Iggy Pop, o grande desafio neste exercício em pastel foi manter o nível mais alto de abstração, enfatizando primordialmente a incidência e distribuição de luz sobre a figura, ao invés da mera imitação ou descrição da forma.
Ao desdobrar o princípio pictórico, segundo o qual a luz e imagem emancipam-se das formas concretas, o processo pode se tornar extremamente intrigante, complexo, conceitual e sofisticado, convertendo a ação prática num ato de inteligência, entendido como capacidade de processar as informações visuais, por meio da manipulação das variáveis técnicas e dos elementos visuais.
 
 
E o grande prazer do processo de aprofundamento nos métodos de investigação pictórica, sob a lógica rigorosa da excelência, consiste justamente na compreensão da natureza visual do problema por meio da proposição de uma questão e a possibilidade de levantar estratégias de abordagem com o intuito de resolvê-la.
 

Gama de cinza sobre papel, 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguir por Email